ENTRE EM CONTATO

LOGO-OFICIAL.png

R. PADRE CHAGAS, 66, CONJUNTO 6, TÉRREO

MOINHOS DE VENTO — PORTO ALEGRE (RS)

contato@blackcorporation.com.br
WHATSAPP: (51) 99124-0715  |  TELEFONE: (51) 3023-4244

  • Agência Black Corporation

Jumanji – Próxima Fase

Atualizado: Fev 21

Já tendo lucrado mais de meio bilhão de dólares, estrelado por Dwayne Johnson, Karen Gillan, Jack Black e Kevin Hart, formando o quarteto central, ao lado de Danny DeVito, Awkwafina e Danny Glover, além de Alex Wolff, como Spencer, Jumanji – Próxima Fase é uma continuação de Jumanji – Bem-vindo à Selva, não um remake do filme original. A obra se passa aproximadamente um ano após Bem-vindo à Selva, fazendo dois adolescentes conduzirem os colegas mais velhos pelo jogo de videogame (não de tabuleiro) e trazendo Spencer de volta ao mundo de Jumanji.


As atuações, em geral, são engraçadas e bem caricatas, em sua maioria, lideradas por Dwayne e Hart, mas com mais naturalidade para as expressões de Karen Gillan (Ruby Roundhouse), que chamou muito a atenção por satirizar a sexualização das personagens de videogame e, consequentemente, da sua própria personagem, com metalinguagem interessante. Além disso, a interpretação da atriz é a que torna mais coerente o seu avatar com a sua personalidade, contrastando drasticamente com Kevin Hart (Franklin “Moose” Finbar), que destoa totalmente seu avatar do seu personagem, fazendo com que, por vezes, não se reconheça que por trás dele existe um adolescente, apesar do seu jeito cômico. Além disso, o novo vilão interpretado por Rory McCann (Jurgen) foi, infelizmente, mal desenvolvido, e a atuação de Nick Jonas (Jefferson “Seaplane” McDonough), por sua vez, também não se destacou. Apesar disso, a base do filme é agradável e a obra funciona como um todo, abordando, em tom secundário, questões como a mortalidade, o perdão e a amizade.


Em determinados momentos, tem-se a sensação de que o filme é não só uma extensão do anterior, mas também uma cópia dele em seus pormenores. Não há suspense real mesclado à comédia, mas sim humor muito presente mesclado à aventura. Apesar de grande parte dos críticos da sessão de onde assisti o longa o terem adorado, se você procura uma comédia com sacadas muito inteligentes ou busca um filme que o deixe aflito nas cenas de ação em que os personagens correm risco de vida, a obra, com sua leveza, não atende a essa expectativa. Por outro lado, é um filme simples que, mesmo pecando em adrenalina, diverte tanto adolescentes quanto adultos.


Dando espaço para ainda mais continuações, a direção de Jake Kasdan explora bem a jocosidade na inter-relação do quarteto, bem como a incompatibilidade dos adolescentes com os seus avatares, divertindo com uma película descompromissada da Sony Pictures, à qual eu assisti por intermédio do Espaço Z. Apesar de não ser do meu gênero cinematográfico favorito, há de se destacar o bem-feito trabalho existente ao fazer o público rir frequentemente, bem como a sua agradável e alegre fotografia. Um filme bom que vem rendendo excelente lucro.


Por Kênia

39 visualizações
whatsapp-logo-1.png